Doutorado no Ciência sem Fronteiras e ‘Experiência CSF: Igor’

O programa Ciência sem Fronteiras oferece diversas modalidades de bolsas de estudos para doutorado e pós-doutorado na França: doutorado sanduíche (3 a 12 meses de duração), doutorado pleno (até 48 meses) e pós-doutorado (6 a 12 meses), além dos programas CAPES-COFECUB, cooperação entre determinadas instituições francesas e brasileiras, e o CIFRE, que possibilita o financiamento da pesquisa por empresas francesas.

Esta edição do Experiência CSF traz o depoimento de Igor, bolsista na modalidade doutorado-sanduíche, e relembra como funciona a inscrição no doutorado pelo programa Ciência sem Fronteiras.

Experiência CSF: Igor

Igor, pesquisador da área de ciências da computação da Universidade Federal Fluminense (UFF), realizou o doutorado sanduíche na INRIA Lille Nord, em Villeneuve d’Ascq. Escolheu a França como destino para aprender um novo idioma, um diferencial no seu diploma, e foi em busca de uma experiência em um lugar com excelente infraestrutura e qualidade de vida. Em entrevista ao Campus France Brasil, conta da sua realidade como intercambista.

Como a maioria dos estudantes brasileiros que escolhe a França como destino, Igor elogia a infraestrutura do seu instituto de pesquisa: “Em termos de infraestrutura, o instituto que trabalho é incomparável com a realidade brasileira. Em termos de pessoal a minha universidade no Brasil tem o mesmo nível atualmente”, diz. “Morar na França me abriu a mente para novas possibilidades no Brasil e em qualquer país em desenvolvimento. Academicamente fiz bons contatos que serão super importantes para pesquisas futuras e manter um elo entre os países.”

Além dos estudos, Igor contou um pouco mais dos outros aspectos que o levaram ao país. Em relação aos meios de transporte, suas expectativas foram superadas: “O transporte público é de grande qualidade e por um preço acessível. Embora curiosamente eu sinta falta de ônibus intermunicipais a baixo custo, algo que provavelmente a concorrência com trens destruiu. [...] Um momento inesquecível foi, ainda no aeroporto Charles de Gaule pegar trens de alta velocidade e baixo custo até Lille, algo normal para os franceses e um projeto aparentemente muito difícil para o governo brasileiro. O preço dos voos também assusta por serem muito baratos e acessíveis”, conta.

Por outro lado, a vida na França surpreendeu também o surpreendeu negativamente: “O clima foi mais penoso que imaginei bem como a força das mudanças de estação. A comida é excelente e bem saudável, embora as pessoas fumem mais que no Brasil”, conta Igor, quando questionado sobre o que não imaginava sobre a França.

No geral, ele classifica a experiência positiva, e ainda conta um pouco mais sobre os laços que conseguiu construir na França: “Fiz muitos amigos franceses, eles têm um humor único e uma seriedade sem igual. A princípio são bastante fechados em seus grupos, mas mais abertos quando se faz parte deles. Falar francês ajuda demais visto que poucos tem habilidade no inglês. Eles consideram brasileiros um povo aberto e informal, o que contrasta um pouco com o jeito francês olhando de fora.”

Doutorado no Ciência sem Fronteiras

O primeiro passo para conseguir a bolsa de doutorado é consultar o catálogo, com mais de 200 temas de pesquisa de níveis Doutorado e Pós-Doutorado sugeridos pelas escolas doutorais para o Ciências sem Fronteiras: http://d.campusfrance.org/fria/edoffre

O candidato deve realizar uma busca por palavra-chave ou por regiões para acessar integralmente às informações: eixos temáticos de pesquisa; requisitos de admissibilidade; instalações locais; laboratórios de pesquisa.

Se o candidato não encontrar nenhum tema adequado, deve consultar o anuário de escolas doutorais: http://d.campusfrance.org/

O contato deverá ser feito diretamente com o responsável da equipe de pesquisa, que irá orientá-lo quanto aos procedimentos de inscrição. Em geral é necessário enviar pelo correio a tradução oficial da documentação referente à sua formação universitária, bem como um atestado de conhecimento da língua francesa e seu projeto de pesquisa. Podem ser solicitadas cartas de recomendação de professores e uma carta de motivação.

Uma vez admitido, o doutorando ou pós-doutorando deve inscrever-se no site do Ciência sem Fronteiras conforme a modalidade desejada.

Mais informações: http://csf.campusfrance.org/pt-br/node/47